"Fato Sociológico" é um Web Log desenvolvido para a discussão sociológica, em seus aspectos epistemológicos, teóricos e metodológicos. Criado em 21 de maio de 2010, o projeto visa a constituição de um espaço de exposição, discussão e interlocução de ideias sobre o pensamento social e as tradições sociológicas, aberto ao público e sem fins comerciais. As mensagens aqui postadas visam a informação e a divulgação de questões pertinentes, sem qualquer intenção de denegrir a imagem de instituições, pessoas ou organizações. Entendemos que as imagens compiladas são de domínio público, e acreditamos no bom senso dos detentores de seus direitos autorais em permitir o uso irrestrito dos materiais, por isso nos dispomos a promover o merecido reconhecimento quando solicitado.


terça-feira, 25 de maio de 2010

O tipo ideal

Tipo ideal (do alemão Idealtyp) ou tipo puro é um termo comumente associado ao sociólogo Max Weber (1864-1920). Na concepção de Weber é um instrumento da análise sociológica elaborado para a apreensão de fenômenos sociais. Através da elbaoração de tipologias puras, ou seja, destituídas de tom avaliativo, oferece um recurso analítico baseado em conceitos, como o que é religião, burocracia, economia, capitalismo, dentre outros. Uma das principais características do tipo ideal é o fato de que não corresponde à realidade, mas pode ajudar em sua compreensão, estabelecido de forma racional, porém com base nas escolhas pessoais anteriores daquele que analisa. É então um conceito teórico abstrato criado com base na realidade-indução, servindo como um "guia" na variedade de fenômenos que ocorrem na realidade. É uma conceituação de consistência lógica e não contraditória, que se constrói a partir da abstração de uma relação da realidade. O tipo ideal busca generalizar, funcionando apenas como uma referência para se compreender uma realidade dada. São esquemas mentais construídos pelo investigador para definir certos objetos de investigação. Os tipos ideais não são hipóteses de modelos sobre “como as coisas deveriam ser”; aqui ideal significa, apenas, pertencente a idéia, ao pensamento. Construímos, não descobrimos, os tipos idéias de burocracia, capitalismo, mercado, partido, etc. de modo a que nele tudo se passe como se fosse um conjunto de ações racionais com respeito a fins. Ou seja, como se os agentes se comportassem de forma absolutamente consciente, racional e calculada em função de um objetivo bem definido. Isto, é claro, nunca acontece dessa forma “pura” na realidade. Posteriormente, a pesquisa irá acrescentar aspectos da realidade que não se encontram presentes no tipo ideal originário e que, portanto, estavam para ele como “irracionalidades”. Assim, o tipo ideal fica mais complexo mais próximo da realidade objetiva, porém, sem nunca com ela coincidir completamente. O tipo ideal tem como objetivo buscar o específico, o particular, e não como se poderia imaginar, o genérico, o geral. O tipo ideal já é um modelo geral e ele ajuda a perceber tudo aquilo que é singular.

Um comentário: